Secretarias e Órgãos
Telefones úteis
Redes Sociais

Calendário
Maio 2018
D 2a 3a 4a 5a 6a S
29 30 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31 1 2
Noticias
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Ensino de Enfermagem no Ceará completa 75 anos
PDF
Imprimir
E-mail
Qua, 14 de Fevereiro de 2018 16:25

 

A fundação da primeira Escola de Enfermagem do Ceará completa 75 anos nesta quinta-feira (15/02). Inicialmente criada pelas Filhas de Caridade de São Vicente de Paulo em 1943, hoje a tradição é preservada pelo curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará (Uece).

 

alt

 

Foram muitas as transformações de lá para cá. Segundo a professora do curso de Medicina da Uece Silvia Maria Nóbrega-Therrien, a Escola de Enfermagem do Ceará era, na época, apenas a terceira criada no País e a primeira no Nordeste.

"A Escola nascia com o desafio de preparar enfermeiras na compreensão da profissão como arte e ciência: formar para um campo de atuação profissional, que, implantado na segunda década do século XX, iria se consolidando ao longo de seus 75 anos", explica a professora.

Após 12 anos de fundação, em 1955, a Escola passa a fazer parte da Universidade Federal do Ceará (UFC). E, no ano de 1975, ela e outras escolas e faculdades são incorporadas à Uece, onde permanece até os dias atuais - atualmente, a coordenação é exercida pela professora Francisca Gomes Montesuma.

Durante o mês de maio, o curso de Enfermagem vai realizar uma ampla programação para celebrar a data, dentro das atividades alusivas à Semana Brasileira de Enfermagem. Além disso, também serão inaugurados o espaço e o acervo do Núcleo de Documentação, Informação, História e Memória da Enfermagem no Ceará (NUDHIMEn), localizado no campus Itaperi.

De acordo com a professora, a criação do Núcleo é uma luta da categoria encampada desde 2009. "Entendemos que a criação do acervo é uma providência indispensável para o desenvolvimento da profissão, não somente para identificar trajetórias históricas ou transformações simbólicas, mas como legitimação do seu exercício profissional e reconhecimento social deste ofício", defende.